O ego, ou o culto dele! Um dos empecilhos ao desenvolvimento mediunico.

O ego, ou o culto dele! Um dos empecilhos ao desenvolvimento mediunico.

    O ser humano tem uma tendência de culto do ego que se acentua no ocidente e em particular nas ultimas décadas. A nossa matriz civilizacional judaico-cristã absorveu uma noção perversa de pecado que pretendia aniquilar toda a livre expressão e liberdade individual, que atingiu o apogeu na idade média e foi perdendo força com sucessivas revoluções politicas e intelectuais , culminando nos anos 60 e 70 do século XX com uma explosão libertaria. Graças a Deus esses tempos de trevas foram vencidos por cá, mas depois vieram os excessos cometidos que levaram a enaltecer o prazer e a afirmação individual dos anseios e opções individuais sempre imbuídas de ideais um tanto simplórios e ingénuos, mergulhámos então numa espiral de egoísmo despojado de qualquer propósito ou ideal que não seja o do poder, glória e vaidade de cada um. Vemos assim o mundo caminhar para este abismo que devora os recursos do planeta, que insiste na perpetuação da miséria de muitos e ao mesmo tempo vende uma falsa felicidade baseada em ícones de beleza e juventude sem consequências nem responsabilidade. Somos hoje uma sociedade de eternos adolescentes que não querem pensar, não assumem as suas falhas e sempre se consideram perfeitos e infalíveis! A única lei que conhecem é a da exaltação das suas próprias qualidades e vontades. Um ser humano que se emociona com os seus próprios dilemas e despreza outros bem mais graves mesmo que diante de seus olhos; um individuo que gasta fortunas em cirurgia plástica mas recusa pagar os seus impostos que servem para construir, manter e cuidar das redes de comunicações, saúde, educação e tudo o mais que está ao dispor de todos! Utiliza a desculpa da corrupção alheia para justificar a sua própria!
    É este mesmo ser humano que aqui e ali sente o apelo do espírito qual planta tentando romper por entre o alcatrão de uma qualquer estrada; uma ultima réstia de vida natural, espontânea de sublime, frágil e exposta que tenta ainda assim subir, crescer e trazer o que de mais genuíno possa existir no mais recôndito canto de cada ser! Heis-nos perante um ser humano que tenta caminhar e alcançar um sentido mais profundo da sua existência, militando em causas humanitárias, assistenciais, sociais e porque não espirituais? Pois bem, este dilema atinge a todos por igual! Mesmo imbuído na boa intenção, na qual devemos acreditar, acarinhar e incentivar. Mas atenção pois o individuo ou o seu ego por vezes teima em sobrepor-se! Aqui e ali vemos esses valerosos lutadores sucumbir sob seus defeitos morais que embora tentem refrear e extirpar, continuam presentes pois o ambiente social e o passado individual são por demais densos. É neste contexto que pretendo chamar a atenção para o ego destrutivo; compreendendo a natureza humana e deixando de alguma forma uma mensagem de carinho e incentivo a estes bravos lutadores para que não sucumbam já e voltem a tentar uma e outra vez, lutar contra o ego que cresce e tenta absorver tudo e em especial o discernimento. Vejo por vezes indivíduos enaltecer de forma pouco lisonjeira suas origens, seus feitos, seus sucessos ou simplesmente a sua condição sem no entanto desconfiar que por detrás desse acto está escondida uma ponta de vaidade. Atentemos pois nos mediuns que incham de orgulho quando relatam seus feitos ou nos filhos de santo que enaltecem seus Orixás : em ambos os casos, acredito que nunca lhes terá ocorrido de uma forma plenamente consciente a amplitude dos seus actos e de suas consequências, pois não é verdade que a cada acto corresponde uma consequência ?? E qual a consequência da vaidade velada que se esconde por detrás destas posturas? O enaltecer os actos de seu preto-velho, caboclo, criança ou outra entidade acaba por servir apenas para regozijo do próprio medium, pois as entidades não propagandeiam nem fazem alarde de seus feitos! O mimetismo e em simultâneo o sentimento de inferioridade de outro médium que possa assistir a tal demonstração servirá apenas de incentivo à repetição de demonstrações similares e em pouco tempo, se o líder espiritual não atalhar estes comportamentos, todo um corpo mediunico se desagrega em rivalidades estúpidas! Assiste-se muito ao enaltecer soberbo do Orixá de cada um... até podemos compreender o carinho e orgulho em nossa filiação divina, mas quando o filho de fé apenas se interessa pelo que diz respeito ao seu Orixá, a sua cor, a sua pedra, a sua planta, etc, demonstrando desinteresse pelas demais potencias divinas, está não apenas a afastar-se da vibração mais elevada de amor e luz mas também e mais uma vez a originar sentimentos mimetistas e em breve porá ainda que de forma inadvertida e irreflectida em causa a união e a empatia necessária. Empatia! sentir pelo outro como se fôramos nós próprios, a capacidade se colocar no lugar de outro individuo. Para podermos ser uma egrégora, um corrente, um corpo, não poderemos nunca exacerbar cada elo por si pois não têm qualquer valor quando isolados. Espero que meus irmãos de fé compreendam estas linhas e o carinho com que as escrevo, pois é um alerta para que cuidem se seus passos no caminho da luz. Temos de nos analisar constantemente e retroceder quando percebemos que estamos a enveredar por caminhos perigosos. Todos , sempre e a cada momento de nossa vida somos desafiados com escolhas e decisões que parecem inocentes....apenas a um olhar mais desatento. Cuidem de vossos irmãos, cuidem de vós próprios e cuidem do caminho que escolheram. Ser umbandista não é de todo fácil, pois exige progresso espiritual que só é possível com aprendizado e reforma moral a qual é conseguida diariamente e em pequenos passos.

Axé a todos,

Francisco d' Ogum
Pai Pequeno do terreiro de Umbanda Pai Oxalá e Mãe Iemanjá

publicado por galileu às 15:38 | comentar | favorito